BrasilCORRUPÇÃO SEM FIMCORUPÇÃOFOLHA DE MURTINHO - O SEU JORNAL ELETRÔNICOJUSTIÇAnotícias

Nossas Riquezas escoaram pelos ralos das quadrilhas que saquearam nosso País.

As 25 obras de empresas brasileiras no exterior com repasses do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) suspensos dificilmente serão concluídas sem os recursos da instituição, afirmam especialistas. Segundo eles, é impossível encontrar no mercado financeiro crédito nas mesmas condições oferecidas pelo BNDES, especialmente para empresas investigadas na Operação Lava-Jato.

Desde maio, o BNDES interrompeu o envio de recursos para projetos da Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez em nove países. Dos US$ 7 bilhões liberados, US$ 2,3 bilhões já foram desembolsados e falta repassar US$ 4,7 bilhões às empresas. O BNDES informou que vai avaliar os projetos caso a caso para verificar se retomará os repasses ou não.

Questionado se as construtoras poderão executar as obras sem o crédito do BNDES, o presidente da Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), Venilton Tadini, foi categórico. “A resposta é simples: ‘não’. É claro que (os projetos) não vão sair”, afirmou.

Tadini lembra que, tradicionalmente, entre 70% e 75% do investimento necessário em infraestrutura vem de financiamento. Segundo ele, o financiamento do BNDES é “uma grande parte” desse montante. No máximo, 30% dos recursos para uma obra vêm de capital próprio das empresas.

Sem o crédito do BNDES, as empresas teriam de captar recursos no mercado financeiro a custos muito superiores para concluir as obras. “As empresas estão com sua imagem ‘chamuscada’. Elas até podem conseguir captar recursos, porque têm ativos valiosos, mas vão pagar mais caro”, afirmou o consultor Fabio Silveira.

A avaliação de risco das construtoras brasileiras piorou após se tornarem alvo da Operação Lava-Jato. A agência Moody’s, por exemplo, rebaixou a nota de crédito da Andrade Gutierrez em seis níveis desde janeiro do ano passado. Já a Odebrecht, que tinha grau de investimento, o selo de bom pagador, desceu quatro degraus na régua da Moody’s e hoje emprestar para a empresa é considerado um investimento “especulativo”. Quanto pior a nota, mais caro a empresa precisa pagar para captar recursos com bancos e investidores.

O advogado do Mattos Filho explica que os prazos de pagamento das linhas do BNDES são mais longos, entre 15 e 20 anos. As debêntures de infraestrutura (títulos de dívida emitidos pelas empresas para financiar projetos) têm prazo médio de cinco anos no Brasil, lembra o advogado.

As taxas de juros do BNDES também estão abaixo da média de mercado brasileiro. Enquanto a Selic, a taxa básica de juros, está em 14,25% ao ano, a taxa de juros de longo prazo (TJLP), referência para os empréstimos do BNDES, está em 7,5% ao ano.

No caso das linhas de crédito para a exportação, como as usadas pelas empreiteiras nas obras no exterior, o juro é ainda menor. As taxas aplicadas nas linhas de exportação são atreladas à taxa libor, hoje em cerca de 1,5% ao ano, mais um prêmio de risco do banco. Essa conta fica em torno de 4% a 5% ao ano, estima o professor do Insper Sérgio Lazzarini. (AG)