Piloto de avião interceptado com cocaína disse ter decolado de fazenda dos Maggi

piloto do avião bimotor interceptado pela Força Aérea Brasileira (FAB) no domingo (25) com 500 quilos de cocaína disse à defesa aérea que decolou da fazenda Itamarati Norte, no município de Campo Novo de Parecis (MT). A informação foi dada por meio de nota pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica.

A propriedade rural é arrendada pela empresa Amaggi, de propriedade da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

Ao G1, a assessoria do ministro afirmou que está elaborando uma nota para esclarecer o assunto, que não tinha sido divulgada até a última atualização desta reportagem.

Em nota, a empresa Amaggi disse que “não tem qualquer ligação” com a aeronave interceptada pela FAB e “não emitiu autorização para pouso/decolagem da mesma em qualquer uma de suas pistas” (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem).

Avião carregado de cocaína interceptado pela FAB (Foto: PMGO/Divulgação)Avião carregado de cocaína interceptado pela FAB (Foto: PMGO/Divulgação)

Avião carregado de cocaína interceptado pela FAB (Foto: PMGO/Divulgação)

Na página do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o avião bimotor matrícula PT-IIJ, interceptado pelo FAB, está registrado em nome de Jeison Moreira Souza. O piloto da aeronave não foi identificado.

Inicialmente, a FAB havia afirmado, por meio de nota, que o bimotor havia decolado da fazenda Itamarati Norte com destino a Santo Antonio Leverger, também no Mato Grosso. Na tarde desta segunda-feira (26), a assessoria da Aeronáutica divulgoi novo comunicado para esclarecer o ponto de origem.

Facebook Comentários