BrasilBrasíliaCORRUPÇÃO SEM FIMCORUPÇÃOFOLHA DE MURTINHO - O SEU JORNAL ELETRÔNICOJUSTIÇAnotícias

Rocha Loures diz à Justiça que nunca abriu mala com R$ 500 mil entregue pela JBS

O ex-deputado e ex-assessor especial do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, afirmou em depoimento ao juiz da 15ª Vara Federal de Brasília, Jaime Travassos, que nunca abriu a mala recebida da JBS com R$ 500 mil em São Paulo, no ano passado.

O site do jornal “O Globo” publicou neste sábado (10) reportagem com os vídeos do depoimento de Rocha Loures, prestado na última quarta-feira (7).

O ex-deputado, que chegou a ser preso, é réu por corrupção passiva no processo que trata sobre o caso da mala. Ele foi filmado pela Polícia ao receber a mala, em uma pizzaria, do ex-executivo do grupo J&F Ricardo Saud – segundo o Ministério Público, o dinheiro seria propina para Temer, que sempre negou.

De acordo com delatores da J&F, o dinheiro era parte de um suborno que valeria por 20 anos, uma espécie de mesada para Rocha Loures e para Temer em troca de atuação junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O objetivo, segundo os delatores, era resolver uma disputa sobre o preço do gás fornecido pela Petrobras a uma termelétrica do grupo J&F.

Depoimento

Conforme “O Globo”, as declarações de Rocha Loures no depoimento à Justiça apresentam contradições, dentre elas com a própria defesa. Isso porque os advogados haviam apontado que o ex-deputado recebeu a mala “sem saber qual era seu conteúdo”. À Justiça, embora Rocha Loures afirme que nunca abriu a mala, ele deixa claro que sabia que havia conteúdo ilícito e disse que não queria recebê-la.

Em um dos vídeos publicados pelo jornal, Rocha Loures disse que foi ao encontro de Ricardo Saud, em uma pizzaria em São Paulo, com a intenção de encerrar as conversas, terminar a participação dele no caso e depois avisar o presidente Michel Temer.

“Quando eu saio da pizzaria, eu tô saindo da pizzaria pra ir embora, porque eu imaginei ele não está aqui, o que eu iria dizer a ele o seguinte: olha, Ricardo, eu não vou mais tratar com você, você avisa ao Joesley [Batista], eu não vou mais me prestar a esse papel, então eu vou, tô avisando a vocês, vou avisar ao presidente, a conversa terminou por aqui. Essa era a minha intenção, conversa rápida e encerrar o processo”, disse o ex-deputado.