BrasilBrasíliaCÂMARA MUNICIPAL MURTINHOFOLHA DE MURTINHO - O SEU JORNAL ELETRÔNICO

Rose Modesto apresenta projeto para aumentar tempo de prisão em casos de feminicídio

Vereador Élbio Balta, está mobilizando as mulheres de Porto Murtinho, na busca de assinaturas para o projeto de Lei de proteção as agressões contra as mulheres, que a Deputada Federal Rose Modesto, está encaminhando para votação.

Com o objetivo de aumentar a pena para, no mínimo, 20 anos de reclusão em regime fechado para quem comete o crime de feminicídio, a deputada federal Rose Modesto (PSDB) apresentou nesta terça-feira o Projeto de Lei 1568/2019. Hoje, quem comete este tipo de crime tem direito ao regime semiaberto quando cumpre 2/5 da pena.

“Eu apresentei o projeto por causa da urgência do tema, já foram 10 casos de feminicídio em Mato Grosso do Sul este ano e novos casos ocorrem todos os dias no país. Cada duas horas uma mulher morre no Brasil vítima de violência. Somente com leis mais duras vamos dar um basta ao feminicídio e a impunidade dos assassinos. Se nada for feito, este número só vai aumentar”, afirmou a parlamentar.

O projeto da nova redação ao artigo 121 do Código Penal ao definir que a reclusão nos casos de cometer homicídio contra a mulher por razões da condição de sexo feminino (feminicídio) passa a ser de 20 a 30 anos. O texto atual define que a prisão poderá ser definida pelo juiz entre 12 e 30 anos.

O texto também altera a Lei dos Crimes Hediondos ao excluir a possibilidade do autor do feminicídio ser beneficiado com a progressão para o regime semiaberto após cumprir 2/5 da pena. O projeto também propõe alteração no inciso 2º do art. 2º da Lei 8.072/1990, que passara a ter a seguinte redação: “A progressão de regime, no caso dos condenados pelos crimes previstos neste artigo, dar-se-á após o cumprimento de 2/5 (dois quintos) da pena, se o apenado for primário, e de 3/5 (três quintos), se reincidente, observado o disposto nos §§ 3º e 4º do art. 112 da Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 (Lei de Execução Penal), exceto para o feminicídio (art. 121, § 2o , VI) que deverá ser cumprida integralmente em regime fechado pelo condenado, sem possibilidade de progressão de regime ”.

De acordo com a deputada, a partir de sexta-feira (22) ela irá começar a colher assinaturas em moção de apoio ao projeto “como forma de sensibilizarmos a todos sobre o quanto o crime de feminicídio precisa ter punição mais severa que precisa ser aplicada o mais rápido possível”. A busca pelas assinaturas vai começar em Campo Grande, na Praça Ary Coelho, a partir das 9h, mas se estenderá por todo o Brasil.