Senado aprova criação de fundo para bancar campanhas com recursos públicos

Senado aprovou nesta terça-feira (16) a criação de um fundo eleitoral para financiar as campanhas com recursos públicos. A estimativa é que esse fundo tenha R$ 1,8 bilhão (leia detalhes mais abaixo).

Com a aprovação, a proposta seguirá para a Câmara dos Deputados.

Pela proposta aprovada, o fundo será composto por:

  • 30% do total das emendas parlamentares de bancada constantes da Lei Orçamentária Anual. Os recursos abastecerão o fundo exclusivamente em ano eleitoral. As emendas de bancada consistem em indicações feitas pelos parlamentares de um estado para aplicação de recursos do Orçamento da União em obras e serviços no estado deles;
  • Montante referente à isenção fiscal das emissoras comerciais de rádio e TV que veicularam, em 2017 e 2016, propaganda partidária (fora do período eleitoral), que será extinta. O horário eleitoral gratuito ficará mantido.

R$ 1,8 bilhão

Pelas estimativas do relator, Armando Monteiro (PTB-PE), com essas fontes, o fundo pode ter entre R$ 1,7 bilhão e R$ 1,8 bilhão.

A maior parte, cerca de R$ 1,3 bilhão, prevê Armando Monteiro, será referente às emendas.

“A utilização desta fonte [emendas] será essencial para manter o fundo em nível minimamente compatível com o custo das campanhas. Esse, parece-nos, é um grande avanço em relação do projeto original”, disse.

“Recordemos que, em 2014, a soma dos gastos declarados pelos candidatos superou R$ 5 bilhões em valores da época, equivalentes a mais de R$ 6 bilhões em valores de hoje, e que, em nossa proposta, esse montante não alcançará sequer R$ 2 bilhões”, acrescentou o relator.

Mais cedo, nesta terça, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), se reuniu com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir a criação do fundo. Eunício e Maia buscam um acordo para a proposta ser analisada rapidamente pelos deputados.

Fundo ‘mais palatável’

Na noite desta terça, após a aprovação do projeto no Senado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ter dúvidas sobre destinar recursos das emendas para o fundo. Mas disse considerar o valor aprovado “mais palatável”.

Isso porque o montante que chegou a ser discutido pelos deputados para o fundo, em 2018, era de aproximadamente R$ 3,6 bilhões, valor duramente criticado e, assim, rejeitado.

Mesmo assim, para Rodrigo Maia, é polêmico usar recursos das emendas, que têm como foco obras e projetos nas cidades e nos estados de origem dos deputados, para abastecer um fundo de campanha.

Maia disse preferir que fossem remanejados recursos do Fundo Partidário, que já existe e serve para o funcionamento dos partidos. Ele ponderou, no entanto, que o uso de emendas é mais fácil de “justificar” à sociedade. “Essas outras fontes, sendo majoritárias, são mais fáceis de explicar”, afirmou.

Regras

Saiba abaixo as regras previstas pelo projeto aprovado no Senado:

>>> Tribunal Superior Eleitoral

Pela proposta, caberá ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) administrar o novo fundo.

O texto define ainda que:

  • 15 dias após a disponibilidade dos recursos, o TSE deverá divulgar o montante disponível para as eleições;
  • O tribunal terá de reservar 10% do total do fundo para despesas relativas ao segundo turno das eleições.

>>> Distribuição

Passada esta fase, os recursos serão distribuídos entre os partidos políticos, no primeiro turno, da seguinte forma:

  • 2%: Divididos igualmente entre todos os partidos com estatuto registrado no TSE;
  • 49%: Divididos entre os partidos na proporção de votos obtidos pelas legendas na última eleição para a Câmara;
  • 34%: Divididos entre os partidos na proporcionalmente ao número de deputados federais;
  • 15%: Divididos entre os partidos na proporcionalmente ao número de senadores.

>>> Contagem de vagas

Para as eleições do ano que vem, o texto prevê que o número de representantes de cada partido na Câmara e no Senado será o apurado em 10 de agosto de 2017.

A partir das eleições seguintes, o número de representantes será apurado no último dia da sessão legislativa anterior ao ano eleitoral.

A sessão

Parlamentares contrários à proposta criticaram a utilização de recursos de emendas parlamentares para a composição do fundo.

Esses senadores – entre eles o líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO) – argumentaram que a medida pode retirar recursos de obras de infraestrutura e de áreas sociais, como saúde e educação.

Defensores do texto, porém, disseram que a proposta não retira recursos de saúde e educação. Romero Jucá (PMDB-RR), Eunício Oliveira (PMDB-CE) e Armando Monteiro fizeram manifestações nesse sentido.

Técnicos do Congresso ouvidos pelo G1 disseram que não é possível afirmar que o uso das emendas de bancada pode retirar recursos de saúde e educação.

Segundo esses técnicos, o destino das emendas é definido pelos integrantes da bancada e podem, ou não, ser empregados em saúde e educação.

Caiado, autor de um outro projeto com regras diferentes para a criação de um fundo eleitoral – que foi rejeitado -, também criticou o fato de a proposta não deixar claro qual será o teto do fundo para financiamento de campanhas.

“É um cheque em branco”, protestou.

Outros parlamentares, como Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Reguffe (sem partido-DF) e Renan Calheiros (PMDB-AL), também criticaram a medida.

Momentos de tensão

A sessão desta terça foi tumultuada. Partidos favoráveis ao projeto se articularam e, com base no regimento da Casa, conseguiram evitar que a votação fosse nominal (em que os votos de cada parlamentar são registrados).

A articulação gerou protesto de senadores contrários ao texto. Eles chegaram a apresentar um requerimento que pedia que as votações fossem nominais, mas foram derrotados.

Texto enxuto

A aprovação do projeto só foi possível após o relator apresentar uma proposta mais enxuta, retirando pontos da proposta.

A redação original previa mudanças em vários pontos das regras eleitorais, entre os quais: prazo para troca de legendas, habilitação de candidaturas, propagandas e direito de resposta na internet, tempo de campanha, limites para gastos e prestação de contas.

O projeto previa, inclusive, a permissão para partidos realizarem bingos para arrecadar recursos para campanhas.

Em busca de consenso, esses pontos que não tratavam especificamente da criação do fundo eleitoral foram retirados do texto.

Facebook Comentários