Data de Hoje - 16/Fevereiro/2019

Senado pode ter número recorde de candidatos à presidência da Casa na eleição de fevereiro

A 12 dias da eleição, o Senado pode registrar número recorde de candidatos a presidente da Casa desde a redemocratização.

A eleição para a presidência do Senado está marcada para 1º de fevereiro, mesmo dia em que os eleitos em outubro tomarão posse.

Entre pré-candidatos declarados e cotados para o comando do Senado, oito são cogitados para a disputa da eleição deste ano:

  • Alvaro Dias (Pode-PR) – quarto mandato
  • Ângelo Coronel (PSD-BA) – eleito em outubro pela primeira vez
  • Davi Alcolumbre (DEM-AP) – está na metade do mandato de oito anos
  • Esperidião Amin (PP-SC) – eleito em outubro, volta ao Senado
  • Major Olímpio (PSL-SP) – eleito em outubro pela primeira vez
  • Renan Calheiros (MDB-AL) – quarto mandato
  • Simone Tebet (MDB-MS) – está na metade do mandato de oito anos
  • Tasso Jereissati (PSDB-CE) – segundo mandato

Caso as intenções se convertam em candidaturas, a eleição de 2019 será a recordista em número de concorrentes desde a redemocratização.

Desde 1985 – quando se encerrou a ditadura militar – a eleição para a presidência do Senado que mais registrou candidatos foi a de 2001, disputada por três parlamentares: Jader Barbalho (MDB-PA) e os ex-senadores Arlindo Porto (PTB-MG) e Jefferson Peres (PDT-AM). Na ocasião, Jader saiu vitorioso.

Dono da maior bancada do Senado na próxima legislatura – com 12 senadores –, o MDB reivindica o direito de comandar mais uma vez a Casa. A princípio, a sigla pode ter dois candidatos na corrida pela presidência do Senado.

Desde 2007, o MDB preside o Senado. Naquele ano, o partido deixou a presidência da Casa, que vinha desde 2001, após Renan Calheiros renunciar ao cargo após denúncia de que recebia mesada de uma empreiteirapara pagar a pensão de uma filha. Ele foi absolvido desta acusação pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Facebook Comentários