Temer diante do risco-Joesley

O presidente Michel Temer tem pelo menos até o próximo dia 6, quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começará a julgar a cassação da chapa vencedora das eleições presidenciais de 2014, para negociar sua sobrevida no cargo. Ele aposta em alguns fatores:

1) a indefinição sobre nome de seu sucessor, em virtude da hesitação no PSDB para desembarcar do governo (no partido, o mais bem cotado é o senador Tasso Jereissati);
2) a indefinição das regras para uma eventual eleição indireta;
3) um pedido de vista ou recurso que arraste o processo do TSE por mais alguns meses;
4) a aprovação da reforma trabalhista no Senado, comprovando que o governo ainda funciona;
1) a resistência do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em aceitar um pedido de impeachment (mesmo que aceite, um processo desses levaria meses).

Mas dificilmente o noticiário deixará Temer em paz. Há, no caso dele, aquilo que o jargão do jornalismo investigativo costuma chamar de “fios desencapados”, de onde poderão surgir choques elétricos com graus variáveis de tensão. Pelo menos dois dos envolvidos no escândalo têm interesse em comprometê-lo ainda mais.

O primeiro é o deputado paranaense Rodrigo Loures, indicado por Temer como intermediário em sua conversa com o empresário Joesley Batista, depois flagrado em vídeo ao sair correndo de um shopping center paulistano com uma mala em que estavam os R$ 500 mil recebidos em propina de um emissário da JBS.

Loures é iniciante no mundo da política de Brasília. Pelo relato de Joesley, fica patente seu amadorismo nas tratativas para interferir na decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) envolvendo uma reclamação da JBS contra a Petrobras. Mais amadores ainda foram a forma como recebeu o dinheiro e o pique ridículo que deu ao sair do shopping.

Ele já devolveu a mala e toda a quantia recebida. Fez ontem um depósito judicial dos últimos R$ 35 mil que faltavam na mala que entregara de volta às autoridades. Foi aconselhado por familiares a negociar um acordo de delação premiada. Se confirmar a história narrada por Joesley e entregar Temer, crescerá a pressão sobre o presidente pela renúncia ou, no mínimo, seu governo terminará de desmoronar.

O segundo fio desencapado é o próprio Joesley. As críticas aos termos generosos de sua delação premiada o deixaram em situação mais que desconfortável. A JSB perdeu valor de mercado e sofre ameaça de processos nos Estados Unidos,  onde concentra a maior parte de seu faturamento.

A empresa ainda não fechou o acordo de leniência com a Procuradoria Geral da República (PGR). Diante do pedido de R$ 11 bilhões em multa, primeiro ofereceu R$ 1 bilhão, depois subiu a oferta a R$ 4 bilhões e, de acordo com observadores próximos, estaria disposta a fechar o acordo por até R$ 8 bilhões. Depois disso, a prioridade de Joesley será o resgate da própria imagem, associada à da empresa.

Cedo ou tarde, portanto, ele falará à imprensa. Suas declarações poderão demolir a versão cautelosamente construída por Temer para se dizer “vítima de uma armação”. Ele poderá esclarecer em que condições foi produzida a gravação da conversa no Jaburu, explicar se houve cortes e dirimir dúvidas essenciais sobre o teor de suas palavras.

A principal delas, no trecho mais comprometedor da conversa. Depois de Joesley afirmar estar “de bem” com o deputado Eduardo Cunha, Temer diz: “Tem que manter isso, viu?”. A PGR sustenta que Joesley pronuncia em seguida as palavras “todo mês”, descrição clara da mesada que entregava a Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro.

O laudo encomendado pela defesa de Temer ao perito Ricardo Molina, porém, garante que as palavras foram “tô no meio”, bem menos comprometedoras. Com base nisso, Temer pode argumentar que nem entendeu do que se tratava.

Pois Joesley sabe exatamente o que disse. Quando se dispuser a falar, terá muito mais a contar. Poderá fazer desmoronar não apenas a versão da defesa para o episódio – mas também qualquer articulação política de Temer para ficar no cargo.

Facebook Comentários