Share on facebook
Share on skype
Share on email
Share on whatsapp

Em protesto, transportadores fecharão porto seco de Corumbá por dois dias

Caminhoneiros e empresas de transporte rodoviário de cargas e logística de Corumbá e Ladário devem fechar, por dois dias, o porto seco da Receita Federal do município.

A paralisação deve ocorrer nesta segunda (14) e terça-feira (15), em protesto contra a demora de até 15 dias para liberação de cargas no local.

Conforme a Setlog Pantanal, o porto seco de Corumbá é o principal corredor rodoviário de comércio exterior do Brasil com a Bolívia.

No local, chamado canal vermelho, onde é feita a checagem da documentação e carga, cerca de 200 caminhões deveriam passar por dia

No entanto, devido a operação padrão dos auditores-fiscais da Receita Federal nas fronteiras do Estado, que começou em dezembro, o número de veículos liberados por dia diminuiu, provocando fila e atrasos nas entregas.

Segundo o presidente Setlog Pantanal, Lourival Júnior, antes da operação, a liberação de uma carreta ou caminhão demorava, no máximo, dois dias, e agora chega a 15 dias.

“Os prejuízos são incalculáveis. As empresas de transporte de Corumbá e da região estão quebrando”, disse.

Por este motivo, contra essa demora, a entrada do porto seco vai ser fechada pelos transportadores por dois dias.

A operação foi iniciada em 27 de dezembro de 2021, como uma das ações de protesto dos auditores-fiscais pelo corte de 52% no orçamento da Receita para 2022 e  pela não regulamentação do pagamento do bônus de eficiência da categoria, que foi acordada em 2016, e pela falta de concurso público para o cargo desde 2014.