Governo exonera indicado de Moro da Secretaria Nacional de Justiça

O governo federal exonerou Vladimir Passos de Freitas do cargo de secretário nacional de Justiça do Ministério da Justiça e Segurança Pública. A exoneração está publicada no DOU (Diário Oficial da União) desta segunda-feira (11).
Vladimir é desembargador aposentado e ex-presidente do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). Ele foi levado para o ministério pelo então ministro Sérgio Moro. O documento não traz a nomeação do substituto de Freitas.
A mudança é uma das várias que ocorrem na pasta depois da saída de Moro do governo. O ex-juiz da Lava Jato deixou o cargo de ministro acusando o presidente Jair Bolsonaro de interferência política na Polícia Federal, o que o presidente nega.

Agora, a PF está sob o comando do delegado Rolando de Souza, nomeado diretor-geral da corporação semana passada, depois que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes barrou o nome de Alexandre Ramagem – amigo da família Bolsonaro e atual diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) – para o posto. Assim que assumiu a PF, Rolando de Souza mudou os titulares de algumas superintendências, incluindo a do Estado do Rio de Janeiro.

O Diário Oficial publica ainda outras mudanças na PF, assinadas pelo ministro da Justiça, André Mendonça. Houve troca em três diretorias da instituição: Diretoria de Gestão de Pessoal, com a exoneração de Delano Cerqueira Bunn e a nomeação de Cecília Silva Franco; Diretoria de Administração e Logística Policial, com a saída de Roberval Ré Vicalvi e a entrada de André Viana Andrade; e a Diretoria Técnico-Científica, com a exoneração de Fabio Augusto da Silva Salvador e a nomeação de Alan de Oliveira Lopes.