Na corrida armamentista de MS, campeã de vendas é pistola de R$ 4 mil Dados da Polícia Federal mostram aumento inédito no registro de novas armas no Brasil e em Mato Grosso do Sul

9/10

O Brasil se arma três vezes mais do que se armou nos últimos cinco anos. É o que mostram os dados da Polícia Federal, que indica 73.985 novas armas registradas de janeiro a junho deste ano em todo o país. Em Mato Grosso do Sul foram 1.226 armas registradas até junho, três vezes mais do que foram registradas no mesmo período em 2019. O reflexo é o boom do mercado e por aqui, a preferida é a pistola semiautomática, que custa cerca de R$ 4 mil.

O mês de maior pico no registro de novas armas de fogo junto à polícia federal foi em maio, com 368 novas unidades. Em todo o ano de 2018 foram 326 novas armas registradas. De janeiro à junho de 2019, 193 armas.

Os números acompanham o clima bélico na política, já que o uso da arma de fogo voltou às tribunas do país com toda força e foi parte do mote que elegeu Jair Bolsonaro (sem partido) à presidência. No ano passado, uma série de decretos avançou e em seguida retrocedeu no assunto, e por fim, o governo enviou projeto ao Congresso, que ainda não virou lei.

De qualquer modo, qualquer cidadão comum deve ser avaliado na Polícia Federal para ter uma arma. Mesmo com flexibilização, o processo tende a ser rígido e demorado.

Em Mato Grosso do Sul foi justamente o “cidadão comum” o maior proprietário das novas armas registradas em 2020, segundo dados da Polícia Federal. Em seguida, os servidores públicos que tem porte por prerrogativa da função, a exemplo dos policiais.  CAMPO GRANDE NEWS