“Rei da fronteira” tinha bunker, contrabandeava armas e mandou executar três, diz Gaeco

9/10

O empresário Fahd Jamil Georges, o Fuad Jamil, conhecido como “rei da fronteira” nos anos 90, e o filho, Flávio Correia Jamil Georges, o Flavinho, seriam chefes da suposta organização criminosa em Ponta Porã. Além de dar suporte para o grupo de extermínio chefiado por Jamil Name, 81 anos, e Jamil Name Filho, 42, eles contrabandeavam armas de grosso calibre e seriam os mandantes de três execuções, sendo duas na Capital e uma em Bela Vista.Conforme a denúncias do Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado), eles tinham um verdadeiro bunker na Fazenda Três Cochilhas, em Ponta Porã, a 323 quilômetros de Campo Grande. O local conta com forte esquema de segurança, passagens subterrâneas e depósito de armas.