‘Voltar ao voto impresso é como comprar vídeocassete’, diz Barroso

“Voltar ao voto impresso é como cancelar a assinatura da Netflix, comprar um vídeocassete e subsidiar locadoras para voltarem a alugar fitas”, afirmou o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, ao garantir que as urnas eletrônicas nunca foram fraudadas no Brasil.

“Há alguns equívocos que se disseminam e as pessoas passam a acreditar neles. Fraude havia no tempo do voto impresso”, afirmou Barroso durante a Live JR. “Desde quando as urnas eletrônicas foram implantas em 1996, nunca houve nenhum caso comprovado de fraude nas eleições”.De acordo com o ministro, a evidência de que não há fraude nas eleições pode ser comprovada pelas pesquisas eleitorais. “O presidente Fernando Henrique foi eleito por esse sistema, o presidente Lula no primeiro mandato, o presidente Lula no segundo mandato, a presidente Dilma no primeiro, no segundo e o presidente Jair Bolsonaro. Alguém acha que essas pessoas não foram as preferidas do eleitorado, inclusive, com o resultado correspondendo às pesquisas?”, questionou.O Brasil utiliza urnas eletrônicas desde 1996 e nenhuma fraude foi comprovada pelo Ministério Público ou pela Polícia Federal. Circulam diversos boatos na internet que duvidam da eficiência do uso desses equipamentos. O R7 entrevistou o  secretário de Tecnologia do TSE, Giuseppe Janin, para desmistificar o uso da tecnologia no sistema eleitoral brasileiro