Share on facebook
Share on skype
Share on email
Share on whatsapp

Solteiro, sem filhos e morando sozinho, o campeiro, de 38 anos, feito refém por 1h30 na noite de terça-feira (28), prestou depoimento nesta quinta-feira (30), na Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos). Na saída, conversou com o Campo Grande News. Assustado com o crime, ele agora pensa em mudar de casa.

“Na hora, eu só pensava que ele ia me matar”, contou o homem, que com medo de ser localizado, pediu para não ser identificado.

O campeiro conta ainda que só conseguiu fugir e pedir ajuda, porque não teve os pés amarrados. “Ele me colocou no banheiro, mas comecei a passar mal e pedi pra me deixar do lado de fora com ele, porque pensei que se me levasse pra fora, eu podia tentar correr para o meio do mato. Como ele não conhece a fazenda, não ia mais me pegar”, disse a vítima.

O crime aconteceu quando o campeiro chegava em casa na noite de terça, ele mora no local de trabalho, mas a cerca de 1 km da sede da fazenda. Depois de jogar futebol com os amigos, no Bairro Moreninhas, a vítima voltou para a residência e, ao entrar na varanda, foi abordado por um homem alto e forte, que o amarrou com pedaços de fios e o deixou trancado no banheiro.

“Eu estava muito nervoso e comecei a perguntar para ele porque queria me matar. Ele me alegou que uma outra pessoa tinha mandando me matar, porque eu agredi essa pessoa na cidade. Mas eu nunca briguei com ninguém. Não tenho desavença com ninguém. Não existe essa história”, contou o homem.

De acordo com a vítima, o bandido ainda teve tempo de cozinhar alguns frangos congelados e até jantou na residência. “Eu cheguei com uma sacola do mercado na mão, tinha até um iogurte, que ele até tomou. Jogou minhas roupas no chão, bagunçou toda a casa. Levou meu celular novo, que só paguei a primeira prestação. Levou um celular velho que eu tinha em casa, uma bota e uma mochila, que dentro tinha um perfume, e 250 reais que tinha na carteira”, detalhou a vítima – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS